Anna Liz
Sou feita de retalhos. Pedacinhos coloridos de cada vida que passa pela minha e que vou costurando n
Livros à Venda
Conversa de Alguém que sente
Autor: 
Anna Liz
Editora:
Scortecci
Ano:
2008
Páginas:
56
Tipo:
impresso
Preço:
R$15.00
Sinopse:
“Conversa de Alguém que sente” é uma coletânea poética, em que a escritora, Ana Elizandra Ribeiro, oferece ao leitor o seu primeiro apanhado de poemas que cria desde a adolescência.
Vale a pena conferir!
 
DISPERSO EM VERSO
Autor: 
Anna Liz
Editora:
SCORTECCI
Ano:
2015
Páginas:
60
I.S.B.N.:
978853664370-0
Tipo:
impresso
Preço:
R$15.00
Sinopse:
A produção poética de Anna Elizandra encanta pela pureza de sensibilidade, pela singeleza da construção linguística, como também pela delicadeza com que constrói belíssimas imagens. Ela ratifica as palavras de Luís Almeida Sampaio, em artigo recente: “O bom poeta não precisa inventar inspiração, porque a musa inspiradora rouba sua atenção e canta sua pena. O bom poeta verseja como se pintasse exuberantes telas”.

Esta respeitável escritora dança ao som do vento, acompanhada de Erato, musa da poesia amorosa, com a intenção de derramar o belo sobre o lirismo universal. Vá, minha irmã de ofício, revelar as imagens de teu coração sensível para tornar o mundo mais bonito!

Paulo Rodrigues (Poeta, escritor e pensador)
 
Ella - repertório amoroso
Autor: 
Anna Liz
Editora:
Penalux
Ano:
2020
Páginas:
74
I.S.B.N.:
9786599006616
Tipo:
impresso
Preço:
R$38.00
Sinopse:
Começo com uma citação do dramaturgo francês Henri Lenormand: “Cada um tira prazer do instrumento que manejar melhor”. E, auscultando esta obra de Anna, sinto a veracidade desse excerto. A tessitura de Anna é o amor. Amor que se derrama pelo corpo, mente e alma de todas as mulheres que ella (re)visita e encarna em seus “corpus poéticos”. E qual amor e qual mulher e qual ser não traz em suas trilhas o “repertório da perda” do amor infinito e da existência? Sobre “perdas”, a poeta diz: (...) Até quando ganhamos/ perdemos, pois para ganhar/ há de se perder. Sim, a poesia nos permite abraçar nossas perdas e ganhos. Na segunda seção, intitulada Repertório do amor infinito, há uma entrega total da poeta para este amor que tanto buscamos: O amor que acolhe, o amor que abraça, o amor que beija… Em Repertório da existência nos deparamos com as angústias, o vazio, a solidão, tão inerentes aos nossos eus: “É noite, o quarto está escuro, como escura estou” (Do poema Realidade Bukowskiana). Mas, a exemplo de Adélia Prado, põe o amor no pilão, “com cinza e grão de roxo” macera, faz dele cataplasma e põe sobre as feridas. “Eu não sou fria, nem dura, sou uma fogueira implosiva, sou inflamável, sou sonho e amor” (Do poema Sou…) Saudando a grande poeta Anna e encantada com este repertório D'ella, me despeço com Herberto Helder: “Por vezes tudo se ilumina, por vezes canta e sangra”. Agora entrem e também se encantem!
 
Ella - repertório do cotidiano
Autor: 
Anna Liz
Editora:
Lucel
Ano:
2020
Páginas:
68
Tipo:
impresso
Preço:
R$25.00
Sinopse:
Ao iniciar a leitura de ELLA – Repertório do cotidiano, de Anna Liz, que magistralmente envereda por outro gênero, me vem à mente um trecho de Carlos Drummond de Andrade em Fala amendoeira: "Esse ofício de rabiscar sobre as coisas do tempo" e o tempo aqui é "dellas" e seus impressentidos passos.
O título "ELLA" já imprime uma presentificação feminina e a partir dessa premissa vamos acompanhar o itinerário da autora entre o vivido e o imaginado. Na porta de entrada, encontramos escrito de seu próprio punho o que lhe foi dado viver: Uma mulher forte, de lutas, de livros e de letras.
Nas "entrelinhas" vamos encontrar ELLA e sua "Doce Fantasia". Anna Liz não perde a transfiguradora sensibilidade e o lirismo tão peculiares em seu labor literário, e podemos comprovar isto em: Olhar e ver, Uma manhã comum, Crônica da alforria, entre outras.
O universo feminino está intrinsecamente ligado às dores e às superações. Anna Liz explora esse universo sendo ela protagonista de sua história ou dando voz a outras mulheres, e o exemplo disso podemos ver em: Aventuras no rio Zutiua, Pelas estradas Luzienses, Um passeio reflexivo, Coisas simples, Emoldurada, Mulher oprimida, Vida estreita... Só para citar algumas.Precisei sentir tudo. Transbordei-me, não fiz senão extravasar-me”.
Nobilito-lhe por isso!
(Luiza Cantanhêde)
 
Quatro mãos: todas com poesia
Autores: 
Anna Liz, Gil Betto Barros
Editora:
Scortecci
Ano:
2010
Páginas:
88
I.S.B.N.:
978-85-366-1948-4
Tipo:
impresso
Preço:
R$20.00
Sinopse:
Uma boa obra possui um incrível dom de tornar-se presente sobre quaisquer âmbito de distância possível, apresentando-se extraordinariamente sem nexo e por si só. Prova disto é este dueto poético de Anna Elizandra & Gil Betto Barros que, a priori, dispensam apresentações, expondo-se por si mesmos ao longo da obra.

Ora a ferro e fogo, constantes ou vários, dentre signos de todas as vertentes, às vezes extremamente visíveis ao alcance da ótica. Noutras em enigmas imperceptíveis a olho nu, cabendo ao leitor a excitante tarefa de desvendá-los ou não.

Aqui é expresso um perfeito casamento entre um poeta e uma poetisa, unidos pelo prazer insaciável de escrever, pelo encantamento da poesia. Unidos sim, sob duas faces tão distintas, como opostos que se atraem, mas iguais no mágico ofício de plantar palavras no solo de um mesmo livro, pela metáfora de uma aliança contida em cada página.

Enquanto versos são profundos, como poetas são altíssimos. Verdadeiros arquitetos na construção do imaginário, buscando equilíbrio no desequilíbrio, desfazendo e reinventando o próprio estilo, típico dos pós-modernistas. Apresentá-los seria atrever-se, não apresentá-los, um crime. Portanto, senhoras e senhores, com vocês:
QUATRO MÃOS:
Todas com poesia.

Carlos Denilson Tomé Cunha
 
Retalhos de Liz
Autor: 
Anna Liz
Editora:
Scortecci
Ano:
2017
Páginas:
93
I.S.B.N.:
9738536653877
Tipo:
impresso
Preço:
R$25.00
Sinopse:
Grande parte das composições de Anna Elizandra está relacionada à mulher no contexto atual. Um importante número de poemas publicados por esta autora refere-se à problemática do amor erótico idealizado pela figura feminina. Desta forma, sua poesia rompe com as barreiras da tradicionalidade, revelando uma mulher que não precisa esconder seu aspecto mais natural para ser aceita. Mas não é tão simples. É preciso ter força e coragem para revelar esta face feminina tão reprimida ao longo dos séculos de dominação patriarcal.

( Marcos José P. Gomes, em MARCAS DE FEMINILIDADE NOS POEMAS – “Per Passione e Ao homem que não vê a mulher que sou” de Anna Elizandra Ribeiro)

 
SOB(RE) A PENA ESCONDIDA
Autor: 
Anna Liz
Editora:
PENALUX
Ano:
2019
Páginas:
67
I.S.B.N.:
9788558334372
Tipo:
impresso
Preço:
R$35.00
Sinopse:
marcado por uma profunda meditação sobre a brevidade e a transitoriedade das coisas, a velocidade dos instantes decompondo os diversos tecidos da existência. A poesia nasce como fruto da melancolia da escritora em não poder reter o fluxo da vida, podendo apenas assistir impotente ao avassalador barulho do efêmero, “o mau cheiro da memória”. Os próprios desencantos amorosos são consequências lógicas desse mundo marcado pela mutabilidade, onde nada é nascido para durar, onde a ausência é um sentimento constante do tempo.
(Paulo Rodrigues - Poeta, cronista, crítico literário)
Site do Escritor criado por Recanto das Letras